RM - Facebook Todas edições-apresentação-demo RM Ed 147 Bancas RM ED 145 Online ED 143 ONLINE Assine Magnum RM ED 144 Online

É com prazer que apresentamos a revista MAGNUM!

MAGNUM é uma Revista dedicada ao universo das Armas de Fogo. Aborda Colecionismo, Tiro Esportivo, Munições, Recarga, Balística e Legislação pertinente ao assunto. Além de abordar Arqueiria, Caça, Cutelaria, promover entrevistas com pessoas ligadas a cada um desses setores e cobrir lançamentos de novos produtos - no Brasil e no mundo -, buscando estimular seus Leitores ao trânsito saudável, consciente e responsável através desses temas.

Confira abaixo 5 Edições Completas para Assinantes MAGNUM

Edição Especial - Ed. 32 - Metralhadoras de Mão 2 - Ago / Set 2008

blog post image

Editorial

Após o sucesso que foi a edição 1 das armas que foram interessantemente chamadas “objetos de desejo”, cá estamos com a edição 2 sobre o interessante assunto que são as Metralhadoras de Mão (nomenclatura oficial para algo que é pelo leigo comumente denominado “submetralhadoras”) ou, simplesmente, “Mtr M” ou “subs”.

Seja no calibre que é quase unanimidade mundial para tal tipo de Armamento (9 mm Parabellum/9 mm Luger/9 x 19 mm) ou nas outras opções mais comuns existentes (.40 S&W/.45 ACP), as metralhadoras de mão são, efetivamente, instrumentos de grande utilidade quando empregadas de modo correto e, além disso, figuram entre as armas mais prazerosas de se disparar – mormente quando o Atirador é com elas familiarizado!

A mística ligada a tal tipo de Armamento é, de certo modo, baseada no poder de fogo que ele é capaz de oferecer ao Usuário e, também, pela interessante sensação de poder que ele proporciona - algo que somente quem dele faz uso ou, pelo menos, teve a oportunidade de experimentar, pode afirmar!

Compactas e muito letais, as Metralhadoras de Mão cumprem seu papel em mãos de Militares e Policiais, seja em teatros de guerra ou nos tempos atribulados que ora vivemos, quando elas têm papel preponderante no combate à marginalidade - onde são utilizadas, por vezes e i n felizmente, contra bandidos mais bem armados do que aqueles que os enfrentam.

Contudo, como o escopo deste Editorial é discorrer sobre o assunto que deu origem a mais este Especial de MAGNUM; e não aqui criticar.

Convidamos o Leitor a passar para a leitura desta excelente segunda compilação de mais algumas dignas representantes do conceito-base de Metralhadoras de Mão!

Os Editores

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 136

blog post image

Editorial

O REFERENDO DAS ARMAS ERA DELE PREVISÃO E PARTE INTEGRANTE, ASSIM COMO SÃO SEUS EFEITOS COLATERAIS - HOJE  SCANCARADOS - A PERDA DE CONTROLE DA VIOLÊNCIA NO BR, A NECESSIDADE DE INTERVENÇÃO FEDERAL NO RJ E, QUIÇÁ PARA BREVE, INTERVENÇÕES EM OUTROS ESTADOS.

Em alguns desses muitos grupos de WhatsApp, há pouco tempo circularam as seguintes pérolas: “Militares foram flagrados nas favelas do Rio portando armamento de uso exclusivo dos traficantes.” (e...) “Para evitar que motoristas sóbrios morram em colisões com motoristas bêbados, basta proibir os motoristas sóbrios de dirigir. É assim que funciona o estatuto do desarmamento.”
Contamos por nós - temos a boca seca, sempre que nos tocamos que nos cerca o estatuto do desarmamento.

Troço que fazemos mesmo questão de escrever em minúsculas, não por outro motivo, mas por serem tão pequenas e pequeníssimas as razões que se dizem sustentáculo de tão absurdo móvel normativo. Móvel normativo ? Sim, um móvel. Um movelzão, daqueles monstruosos, feios, tristes... pesados e “pesados”. Dos que não queremos, nunca quisemos, mas herdamos (sabe lá de quem) e temos que engolir, ainda que por um certo tempo. Movelzão que simplesmente não cabe na sala e, pra que fique, onde não deveria estar, restou apenas o expediente de deixar a porta da rua entreaberta. E deparamos a porcaria do anômalo todo santo dia na sala. No primeiro cafezinho da manhã; depois, na volta do trabalho, quando se arranca camisa, o calçado e se vai à ducha. Daí, na volta à sala pro jantar, mais uma vez. E mais outra, ao menos uma outra vez, na hora de encher um copo d’água pra ir dormir, sem que faça qualquer sentido conferir se a porta da rua está fechada, porque já sabemos que não poderá estar. É coisa comparável a assombração e suas visitas repulsivas.

Dá pra tirar o troço dali. Por isso o dizemos móvel, ou seja, móbil, passível de ser movido. Todos os inúmeros prejudicados percebem, veem que dá pra tirar, eliminar, remover. Porém, as mesmas condicionantes que impedem que se demova a “tartaruga do topo do mastro” atrapalham a retirada desse monstro da sala e da casa. Totalmente incompatível com o ambiente, constritor de espaço físico, abominoso, atrapalhador contumaz.... um estorvo que desestrutura a casa, consequentemente quem a habita, fragilizando as relações internas, as externas e toda a família.

O estatuto do desarmamento nos fragiliza a todos. Nesse “todos” - é claro - não abarcamos marginais – nem sequer os reconhecemos -, também não abarcamos seguradoras, bancos, grandes construtoras de condomínios fechados e políticos da cepa que a operação Lava Jato já prendeu ou está para prender. Enfim, não reconhecemos nele bandido de espécie qualquer. Lei 10.826/03, o estatuto do desarmamento castra os cavalheiros; mocha as damas; encorpa crianças medrosas; aumenta o consumo de grades, cercas elétricas, muralhas, alarmes, seguros de casas, seguros de automóveis e de outros bens, engorda os bancos ou, como dizem os mais velhos, as casas bancárias.

Nos compacta em potes herméticos, ditos condomínios fechados, de onde assinamos, em três longas vias, as declarações ou confissões de mochos, capões e medrosos.

Segundo Bene Barbosa, num de seus textos recentes: “Qualquer suposto benefício – ilusório, para ser mais preciso – trazido por um desarmamento, real e absoluto, não chega nem perto dos malefícios reais e inequívocos que ele provoca. Só isso deveria ser o sufi ciente para não restar dúvidas de qual lado ficar. Pouco importa a corrente adotada: humanista, utilitarista, jurídica, filosófica, religiosa e o escambau ao quadrado: havendo honestidade intelectual, você não encontrará nenhum apoio para a tese desarmamentista.”

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 66 - Ano 11 - Setembro/Outubro 1999

blog post image

Editorial

Não devemos esmorecer!

A comunidade brasileiras dos apreciadores de armas de fogo deu, por conta do ameaçador projeto antiarmas que tramita no congresso nacional excelente demonstração de união e força. Por todo o país formaram-se grupos de pessoas que trabalharam (e ainda trabalham) arduamente para preservação de uma das mais básicas liberdades individuais de um povo: o direito a defesa.

Felizmente, graças a esse trabalho todo considerável parcela da população brasileira que não estava desperta para o problema em si sensibilizou-se e tomou partido a favor daqueles que apreciam as armas e que querem tê-las, desde que devidamente regularizadas.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 41 - Ano 7 - Dezembro/1994 Janeiro/1995

blog post image

Editorial

Mudanças

Antes de prosseguirmos a leitura desse editorial, por favor verifiquem a última página desse exemplar de Magnum, pois a antiga sessão “almanaque” que enfoca curiosidade no mundo das armas foi substituída por uma historieta de Rombo & Pacífico, personagens criados pelo cartunista João Antonio R Garcia, o qual assina “Jão”.

Rombo & Pacífico representam os dois mais típicos leitores de Magnum, quais sejam o jovem naturalmente mais agressivo na defesa de suas posições e Pacífico, um pacato senhor de meia idade, sóbrio em suas atitudes. Cada um a sua maneira irá viver situações possíveis de ocorrer com aqueles que apreciam “Armas e Munições” sempre com toques de humor e por vezes, levados a situações estremas, como aquela vivida nesta sua primeira aparição em nossas páginas.

O fato de em breve o porte legal de armas de fogo em nosso país ser elevado à condição de crime inafiançável (conforme expusemos em nosso editoria Magnum nº 39 e comentamos juridicamente na seção “legislação” da edição passada...

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição Especial - Ed. 49 - Especial Pistolas nº 7

blog post image

Editorial

Todas as vezes nas quais resolvemos elaborar mais uma Edição Especial de MAGNUM, instala-se na Redação uma verdadeira ''clínica'' (outros poderiam chamá-la de brainstorming) no sentido de ''temperar'' a escolha de matérias para compor um bom resultado final. Desse modo, ficamos a ''cranear'' o que Você mais esperaria de nós, seja por uma questão estatística ou, ainda, pelo conhecimento que - acreditamos - temos dos gostos e preferências daqueles que nos acompanham.

Como todos sabem, os Especiais de MAGNUM – os quais são, basicamente, voltados aos Leitores que perderam um ou outro número de nossas publicações ou que, ainda, desejam fazer uma ''revisita'' a alguns dos assuntos enfocados - se pautam pelo agrupar de diversos artigos sobre um dado Tema, desse modo facilitando a busca por determinados artigos.

Neste, que agora Você tem em mãos, voltamos ao assunto Pistolas; e a explicação para isso é bem simples: as referidas armas são, na atualidade, as mais comuns na mídia e em utilização, tendo, de certa forma, desbancado os revólveres como preferência de escolha dos Consumidores de Armamento no Brasil e no mundo – talvez pela maior quantidade de munição, talvez pela beleza intrínseca de seus métodos de funcionamento ou, ainda, pelas soluções de engenharia nelas presentes.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line