RM - Facebook Todas edições-apresentação-demo RM ED 145 Online ED 143 ONLINE RM ED 144 Online Assine Magnum RM Ed 146 Bancas

É com prazer que apresentamos a revista MAGNUM!

MAGNUM é uma Revista dedicada ao universo das Armas de Fogo. Aborda Colecionismo, Tiro Esportivo, Munições, Recarga, Balística e Legislação pertinente ao assunto. Além de abordar Arqueiria, Caça, Cutelaria, promover entrevistas com pessoas ligadas a cada um desses setores e cobrir lançamentos de novos produtos - no Brasil e no mundo -, buscando estimular seus Leitores ao trânsito saudável, consciente e responsável através desses temas.

Confira abaixo 5 Edições Completas para Assinantes MAGNUM

Edição Especial - Ed. 37 - Revólveres 3 - Out / Nov 2009

blog post image

Editorial

Coincidência ou não, Ruger e Rossi começam com a mesma letra - mas as ''coincidências'' não param por aqui: tanto um quanto o outro conseguiram projeção internacional em função de suas qualidades, reconhecidas nos EUA e na Europa.

Rossi, para nós brasileiros, praticamente dispensa apresentações, já que quem teve (ou tem) um bem sabe do que ele é capaz.

Quando a Rossi foi adquirida pelas Forjas Taurus, muitos acharam que a produção dos excelentes revólveres iria cessar - o que de certo modo aconteceu, mas somente para nosso País, já que ele continua sendo produzido para propósitos de exportação e, também, sendo ainda um dos ícones dos mercados internacionais - e desde os tempos em que armas brasileiras eram vistas lá fora sob certa óptica de desconfiança (o que acontece até hoje com algumas produzidas na China). Hoje, gozando de merecida fama e credibilidade, os produtos da Rossi se destacam dentre tantos outros concorrentes.

E, quanto aos Rugers, o que se pode afirmar? Ora, quaisquer criações do recentemente falecido Bill Ruger têm e sempre terão a receptividade oriunda da qualidade que sempre revestiu os produtos da famosa Fabricante norteamericana, sejam eles Pistolas, Armas Longas ou - como é o caso por aqui - Revólveres. Como principal característica os revólveres Ruger apresentam o que os estadunidenses chamam de “ruggedness”, ou seja, capacidade de agüentar “castigo” e manter seus índices de precisão e confiabilidade que tanto os ajudaram a ser considerados entre os melhores do mundo, ao lado de Colt, Smith & Wesson, Dan Wesson e tantos outros.

Nesta Edição Especial, exclusiva para os seguidores de MAGNUM, decidimos enfocar estas duas marcas por diversas razões que passam por Qualidade e Desempenho - e o Leitor verá, no transcorrer da leitura, que o que afirmamos por aqui não é “propaganda”; e sim o espelho do nível das armas apresentadas!

Boa leitura!

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Revista Magnum Edição 138

blog post image

Editorial

O que isso vai trazer?

Por anos e anos fomos reprimidos e ainda estamos sendo. Sim: reprimidos. A atmosfera de democracia no Brasil é toda falsa e, hoje, assim falsa ela finalmente se mostra a qualquer um que queira enxergar. O que é algo muito bom, ainda que em muito seja frustrante.

Qual é a dúvida de que governos queiram desarmar os cidadãos comuns somente quando tencionam tirania? Aonde resta dúvida acerca dos velhos e vezados métodos sobre esse tema, observáveis pelo mundo, história afora? Alguém ainda acredita que o Brasil esteve ou esteja imune aos dados históricos e ao mundo?

Muita gente com quem conversamos, gente de fora do meio das armas, crê piamente estar proibido o comércio de armas de fogo e munição no Brasil. Pois é: gente que, pela soma de inocência útil e desinformação, concorda em engolir, sem fazer qualquer careta, todo discurso obsceno da grande mídia e suas ludibriantes entrelinhas, efetivas como jatos d’água pontuais de um complexo e até aqui muito eficaz equipamento de lavagem cerebral.

Nós, neste momento, estamos em meados de 2018. Existe no ar, com delicioso perfume, a esperança de retomarmos o direito pleno às armas particulares e à segurança elementar, essencial e indiscutível. Há promessas viáveis quanto a seus cumprimentos e, como combustível, há o desejo da concretização, por parte de nós mesmos, os obedientes à Lei.

O que isso vai trazer? A priori, seu todo não é esgotável e o saberemos somente ao vivenciar. Talvez, em primeiro momento, até traga uma cheia, ou enchente. Até porque enchente seja consequência possível de todo represamento mal operado.

Gente que nunca andou portando arma, talvez o faça e talvez se atrapalhe na hora de seu uso eventual. Quando finalmente colocar o equilíbrio emocional à prova, gente que perceba insuficiência desse equilíbrio e talvez cometa alguma imprudência. Gente que nunca pensou em ter arma de fogo, talvez compre uma, ainda que seja pra descobrir, pouco em seguida, que não gosta de atirar e com arma não se sente confortável. Isso tudo é possível.

Tudo isso é possível mas, se acontecer, será mesmo como enchente. A água depois volta ao nível de origem e as pessoas reaprendem a conviver. No entanto, a criminalidade estará mais fraca, menos atrevida, tendo muito menos chance de persistir. E a vida, por certo, voltará à normalidade.

 

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição Especial - Ed. 54 - Revólveres do Oeste selvagem

blog post image

Editorial

Oeste o que?

O Oeste Selvagem - ou Velho Oeste - esteve intimamente ligado ao desenvolvimento das armas de fogo. Um pouco por desejo, muito por necessidade, é hoje certo que elas estejam bastante mais associadas a tal período do que a qualquer outro da história americana. Em remotas porções territoriais do oeste dos EUA, durante o século dezenove, lei e ordem compunham por vezes um conjunto vazio. Melhor amiga do homem, a arma de fogo era efetiva grande parte da vida por lá.

A borda se mantém delineada pelo rio Mississippi por muitos anos, rio que corta os EUA de norte a sul, desde oeste dos Grandes Lagos até o delta de Nova Orleans. É então considerado território selvagem, inóspito, com pouca possibilidade de se tornar em lar, tudo o que a ocidente desse rio estivesse. Com a compra do território da Luisiana, em 1803, providenciado seu desbravamento, tem início em ano seguinte o chamado Velho Oeste. Os EUA se expandem, gradualmente, rumo ao desconhecido e imenso além-fronteira.

Frequentemente, se diz Velho Oeste apenas quando em referência aos últimos trinta e cinco anos do século dezenove, contados desde 1865, desde o fim da Guerra da Secessão. Mais adequado tratar quase todo esse século ao fazer uso do termo no entanto e, de forma mais precisa ainda, ter em mente os oitenta e seis anos passados entre 1804 e 1890, respectiva e formalmente, dele início e desenredo.

Velho Oeste é uma expressão. Também Oeste Selvagem, como muitos preferem. Denomina a relação entre um período histórico e a grande porção territorial dos EUA a oeste do rio Mississippi. Abrange história, geografia, política, personagens, sabedoria popular e manifestações culturais.

Aquisições de territórios e anexações são sua marca registrada. Compromissos políticos, tratados e acordos com nações estrangeiras e população nativa.

Conquistas militares, implantação e manutenção de lei e de ordem. Isso tudo se soma às inovações tecnológicas e maciças migrações de estrangeiros, e os EUA se expandem, de costa a costa, abastecidos pela convicção na divina predestinação, supostamente vinda de Deus, dita Manifest Destiny. Algo como “Destino Claro” ou, enfim, “Sorte Evidente”. Divina predestinação a abonar e justificar inclusive apropriação de territórios, matança e deslocamento forçado dos nativos, posto que TUDO integrasse um projeto sagrado, infinitamente maior.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 114 - Ano 19 - Fevereiro/Março 2012

blog post image

Editorial

2012, O PRIMEIRO ANO DE UM ÓTIMO FUTURO!

O primeiro editorial de um ano tende a ser quase sempre imutável, já que a orientação temática costuma ficar entre o que se fez - ou ocorreu - no ano anterior e o que se prevê - ou se propõe para aquele que se inicia.

Apesar de sermos uma publicação altamente segmentada aquela que um dia, há mais de vinte anos, se dispôs a mudar os conceitos no que se refere a Armamento, Munição e Assuntos afins - encaramos, inicialmente, o mercado em época interessante, quando os mandatários deste País ainda tinham algum tipo de discernimento lógico quanto a nosso Segmento; e de lá para cá enfrentamos certas agruras – desde censura de nossas capas em bancas de jornais e revistarias de um Estado, como se fôssemos uma revista dedicada à pornografia, até a quase impossibilidade de sermos ouvidos por outros órgãos de Imprensa já que, para muitos, os assuntos que tratava mos eram considera dos um verdadeiro tabu.

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line

Edição 23 - Ano 4 - Março/Abril 1991

blog post image

Editorial

O Jantar-Arquibancada

Este ano, a Equipe Magnum que promoveu a cobertura do 13º SHOT Show, em Dallas, Texas, compunha-se de 4 (quatro) editores redacionais e o de fotografia. A ela somavam-se diretores das 3 (três) principais empresas produtoras de armas do Brasil: Taurus, Rossi, e CBC – Companhia Brasileira de Cartuchos.

Como alguns dos leitores imaginam, e outros sabem, basta sair do Brasil para – irremediavelmente – brasileiros fazerem comparações. Quando se vai para a “Meca” das Armas de Fogo, a América do Norte, as comparações nesse campo acabam sendo, também irremediavelmente, amargas, muito amargas. Entretanto, é sempre necessário observar o lado bom, o lado produtivo, daquilo que se está comparando.

A maioria dos integrantes desse grupo de brasileiros no 13º SHOT Show raramente conseguia se reunir, cada um tentando cumprir da melhor maneira sua tarefa, parte, parte disso devido à grande afluência de pessoas dos 4 cantos do mundo e que lotavam as centenas de hotéis de Dallas, obrigando os brasileiros a se dividirem, e parte ocasionado pelo frio e garoa reinantes naquela região e época do ano, a qual não animava muito. Os paulistanos, entretanto, não se entregavam...

Edição Completa
Edição Completa
Assine a Revista Magnum On-Line